Saúde Mental

Suicídio: é possível preveni-lo?

Juliana Conte

Setembro é conhecido mundialmente como o mês de prevenção ao suicídio. Assunto sério, mas ainda um tabu social que não desperta interesse na grande mídia.

Todos os dias, cerca de 30 brasileiros se suicidam, taxa superior a das vítimas de aids e de diversos tipos de câncer. E para cada morte desse gênero, em média, 5 ou 6 pessoas próximas ao falecido sofrem consequências emocionais, sociais e econômicas.

Na cartilha de prevenção ao suicídio da Associação Brasileira de Psiquiatria e do Conselho Federal de Medicina, eles revelam que de cada 100 brasileiros 17 já pensaram, ao menos uma vez, em tirar a própria vida. Vale lembrar que fazem parte do que habitualmente chamamos de comportamento suicida os pensamentos, os planos e as tentativa de tirar a própria vida.

Leia também: Saúde mental

É importante destacar, antes de tudo, que suicídio não deve ser visto como uma decisão individual, de expressão do livre arbítrio. Tampouco é um ato de “coragem” perante um sofrimento extremo. Isso porque, conforme explica Karen Scavacini, psicóloga e fundadora do Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio, as pessoas que concretizam esse ato estão passando quase que invariavelmente por uma doença mental que altera, de forma radical, a sua percepção da realidade.

“Quem toma esse tipo de atitude sempre está muito cheio de sofrimento e acaba ficando cego por conta disso. Não enxergam nenhuma solução possível no momento. Então, o tratamento da doença mental é um dos pilares mais importantes de prevenção. Cerca de 90% dos casos poderiam ter sido evitados se a vítima tivesse recebido ajuda de qualquer pessoa, além de profissionais, pois após o tratamento o desejo de se matar diminui”, complementa a especialista.

Mas como é possível ajudar alguém que esteja passando por problemas graves e ainda ter condições de suspeitar de que a pessoa tenha plano de tirar a própria vida? A psicóloga reforça que na grande maioria das vezes, o indivíduo dá sinais de sua intenção. Entretanto, como não estamos tão acostumados a ouvir e escutar o outro com clareza, esses sinais passam despercebidos ou só fazem sentido após o suicídio. Ou então, o que é muito comum, não levamos a sério a declaração e a interpretamos equivocadamente como uma brincadeira de mau gosto.

“Pergunte com todas as letras se você, de repente, suspeitar da intenção de algum amigo ou familiar. Mas pergunte querendo ouvir, porque no geral o indivíduo acaba desabafando. Questione sobre o plano, os motivos, as consequências, esteja com tempo. Isso pode ser de uma ajuda extrema. O grande diferencial é mostrar que você se importa. Ofereça ajuda se achar necessário, como apoio psicológico, psiquiátrico e instituições confiáveis. E se a atitude for extrema (ameaça direta de se jogar da janela, se cortar), é necessário uma tomada de decisão imediata: leve a pessoa para um pronto-socorro ou ligue para o Samu (192)”, ensina Scavacini.

Um exemplo de algo que pode ajudar nos momentos de crise suicida é o CVV (Centro de Valorização da Vida – telefone 141). Os telefones não possuem bina e os atendentes (todos voluntários) nunca irão perguntar o nome da pessoa. O CVV não trabalha com aconselhamento, não dá opiniões, tampouco faz qualquer espécie de julgamento.

“Por trás de uma ligação sempre existe um sofrimento muito grande. Perdas, separações, solidão, gente que liga só para conversar. A pessoa liga desesperada, mas depois que coloca tudo para fora se sente melhor. A gente não se envolve, só damos a oportunidade do outro falar. E muitas vezes verbalizando ele consegue compreender melhor o que está acontecendo”, diz Carlos Correia, de 63 anos e voluntário há 24 anos.

Os voluntários não têm condições de fazer nenhum diagnóstico, o que eles fazem, na verdade, é ouvir. Mas, por meio da conversa – e se a pessoa pedir -, eles conseguem indicar locais específicos e gratuitos onde é possível conseguir ajuda, seja para um tratamento para dependentes químicos, prevenção ao suicídio, luto difícil etc.

Mas, tenha consciência que, às vezes, os sinais de que a pessoa está pensando em cometer suicídio não são tão sutis, mas envolvem alguns comportamentos quase típicos como: estocar ou comprar uma enorme quantidade de comprimidos, comprar armas, deixar pendências resolvidas, dar algo de muito valor para alguém que ela goste muito, ter tentado tirar a própria vida anteriormente, entre outros.

“Na dúvida sempre questione. Além disso, se a pessoa confessar o desejo e, de repente, lhe pedir para manter segredo, não faça isso. Porque, na verdade, você pode estar colaborando para que ela ponha o plano em prática”, explica a psicóloga.

Importante: se você estiver lendo este texto e passando por problemas sérios ou conhecer alguém que esteja, não tenha medo de procurar ajuda. Suicídio é uma solução permanente para um problema temporário.

Informações: *

Você também pode:

– Procurar um psicólogo ou um grupo de apoio;

–  Ligar para o Centro de Valorização da Vida (CVV), cujo telefone é 141 e o site: www.cvv.org.br

– Criar um plano de ajuda, com o que fazer e para quem ligar quando você se sentir em crise;

– Tentar descansar, comer e não abusar de álcool ou drogas – as coisas sempre parecem muito piores quando estamos com fome, cansados e com a consciência alterada.

* Informações disponibilizadas pelo Vita Alere