Pesquisa

75% dos paulistanos consomem carne além do recomendado

Juliana Conte

New York SteakCerca de 75% da população da cidade de São Paulo consomem carne de maneira excessiva. E o resultado disso, de acordo com levantamento divulgado pela Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, é que a ingestão exagerada pode aumentar as chances de o indivíduo ter doenças cardiovasculares no futuro, além de câncer, especialmente o de cólon e reto.

A nutricionista Aline Martins de Carvalho, autora do estudo, verificou o consumo de diversos tipos de carne comparando dados do Inquérito de Saúde de São Paulo (ISA) em dois períodos. Em 2003 foram entrevistadas 2.361 pessoas; em 2008, outras 1.662, escolhidas de forma aleatória. O levantamento constatou um aumento de 25%, de 143g para 179g por dia. A preferida dos paulistanos é a bovina, seguida pelas aves. Também foi possível detectar um aumento no consumo da carne vermelha e processada, principalmente entre os jovens, de 108g para 135g diárias.

Apesar de ser  um alimento rico em proteínas e nutrientes, o ideal é que a pessoa consuma diariamente cerca de 100g do alimento, segundo as normas do Ministério da Saúde, o que na prática corresponde a um bife pequeno. Já o World Cancer ResearchFund, órgão norte-americano voltado à prevenção do câncer, recomenda o consumo de 500g semanais de carne vermelha ou processada, como hamburger, salsicha e nuggets.

De acordo com a pesquisadora, porém, algumas carnes processadas contêm substâncias potencialmente carcinogênicas. “Presunto, mortadela, salsicha têm nitrito e nitratos, conservantes utilizados para aumentar o prazo de validade e dar mais sabor ao produto. No entanto, quando chega ao estômago, vai formar uma substância chamada nitrosamina, que aumenta o risco de câncer”.

Outro item a ser destacado é o modo como as carnes são preparadas. O ideal é que elas sejam cozidas ou grelhadas de maneira suave, sem ficar muito tostada. “Aquelas crostas de coloração preta ou marrom fazem mal a saúde, pois também possuem substâncias que podem provocar câncer no futuro”, completa a nutricionista.

Hábitos

Para aqueles que não resistem a um churrasco nos finais de semana, mas desejam diminuir o consumo de carne, a dica da nutricionista é começar aos poucos e substituir o alimento por outros com o mesmo valor nutricional. “Recomenda-se é consumir porções menores, no almoço e no jantar e optar por carnes brancas, como frango e peixe, até chegar ao máximo diário recomendado de 100g. Outra sugestão é aumentar o consumo de grãos como feijões, ervilhas, lentilhas, grão de bico e soja, além de consumir frutas, verduras e legumes”.