Alimentação

Por que ainda recomendamos o consumo de leite?

Tainah Medeiros

Na página do Facebook do Dr. Drauzio Varella, uma seguidora esbravejou: “Que tamanho desserviço com a população! Em pleno 2015 ter que explicar para adultos formados que leite de ser humano é para ser humano e leite de vaca é para bezerro. Meu Deus!”. O post era sobre o consumo de leite para a prevenção da osteoporose. Para ela e muitas outras das mais de 500 pessoas que comentaram no post, o leite de vaca deveria entrar no ostracismo por não trazer nenhum benefício à saúde e não ser adequado para seres humanos.

VEJA MAIS: Prevenção da osteoporose deve começar na juventude

Realmente, somos os únicos animais que consomem leite na fase adulta, mas existem motivos para isso que vão além da discussão sobre saúde: 1) desenvolvemos técnicas para domesticação do gado e, assim, conseguimos incorporar o leite animal em nossa dieta; e 2) não destinamos o leite à alimentação de outros animais adultos porque ele é considerado muito nobre e seu custo é alto demais para usá-lo como ingrediente de ração, embora alguns produtores de suínos utilizem soro de leite para a alimentação dos animais.

Esses apontamentos são da dra. Patrícia Blumer Zacarchenco, pesquisadora científica do TECNOLAT-ITAL (Centro de Tecnologia de Alimentos –Instituto de Tecnologia de Alimentos do Estado de São Paulo), que há mais de 18 anos anos estuda o alimento. “Quando o filhote se torna adulto, o desmame feito pelas fêmeas das diversas espécies ocorre não porque o leite deixa de ser adequado para a cria, mas sim para que o filhote passe a ingerir outros alimentos. Também serve para poupar energia da fêmea para um novo processo de gestação.”**

A mesma lógica pode ser aplicada às pessoas. O leite, mesmo o de origem animal, não deixa de ser nutritivo quando nos tornamos adultos, apenas incorporamos outros alimentos em nossa dieta, tanto por terem outros nutrientes que não estão presentes no leite quanto por aumentarem nossa capacidade gustativa. Por mais que exista uma vertente contrária ao seu consumo, o leite traz benefícios à saúde, sim. Ele ajuda na prevenção da síndrome metabólica, na redução da pressão arterial, na prevenção do diabetes tipo 2 e, claro, da osteoporose, pois quando o assunto é ingestão de cálcio, a bebida ainda é uma das fontes mais importantes do nutriente.

Claro que existem outros meios de ingerir o mineral. As verduras verde-escuras (brócolis, espinafre e couve), assim como castanhas-do-pará, amêndoas e tofu são excelentes fontes de cálcio (ver tabela abaixo). Muitas dessas, inclusive, têm teor mais elevado do mineral que o próprio leite. Por exemplo: 100 g de brócolis têm 513 mg de cálcio, enquanto 100 ml de leite têm 107 mg.

Por que, então, insistir no consumo de leite? “Alguns alimentos, principalmente os ricos em fibras, contêm fitatos (presentes nos farelos de cereais), oxalatos (presentes no espinafre e nas nozes) e taninos (presentes nos chás). Esses componentes diminuem a biodisponibilidade (a velocidade e extensão de absorção de um princípio ativo) do cálcio, o que pode comprometer a quantidade de mineral efetivamente aproveitada pelo organismo. Já o leite conta com a presença de caseinofosfopeptídeos, lactose e proteínas que facilitam a absorção do cálcio”,* explica a dra. Patrícia Blumer.

TABELA LEITE-800x724

Recomendamos o leite, também, com base nos hábitos alimentares dos brasileiros

Quando falamos sobre hábitos alimentares de um país, é preciso cuidado para não generalizarmos a partir dos costumes que temos em casa.

O ideal é que a alimentação e as vitaminas não sejam provenientes de apenas uma fonte. Quanto mais colorido o prato e mais variado o cardápio, melhor. O leite não serve para suprir todo o cálcio necessário diariamente, até porque para isso seria necessário ingerir perto de 1 litro do alimento (e poucos gostam do leite puro). Por outro lado, alguns fatores importantes contam para mantê-lo em nossa dieta: sua multifuncionalidade, o preço e, claro, o gosto da população.

O leite é um dos ingredientes mais versáteis da gastronomia (ainda mais que as hortaliças). Se eliminarmos seu consumo, deixaremos de ingerir, também, todos seus derivados: manteiga, queijo, requeijão, creme de leite, leite condensado, iogurte etc. Excluir todos esses alimentos significa abrir mão de inúmeras receitas, muitas enraizadas em nossa cultura, como pães, doce de leite, pão de queijo, brigadeiro e bolos. Até algumas receitas com legumes e verduras ficariam comprometidas: legumes na manteiga, purê de batata, brócolis gratinado, entre muitas outras.

Do ponto de vista econômico, as hortaliças ficam em desvantagem em relação ao leite. Os preços, é claro, podem variar dependendo do produto e do local de compra, mas tomando como referência valores do Instituto de Economia Agrícola do Estado de São Paulo, em fevereiro de 2016 um maço de brócolis custava, em média, R$ 5,69, enquanto o litro do leite longa-vida (o mais consumido no país) saía por R$ 3,03.

A diferença entre os preços (R$ 2,66) pode parecer pequena, mas  quando pensamos no orçamento da maioria dos brasileiros, ela é significativa. Em 2015, dados do Banco Central sobre distribuição de renda mostraram que 28,2% da população recebia um salário mínimo, e 54,4%, de um a três salários. Nessa época, o salário era de R$ 788.

Vamos ao cálculo comparativo. Em média, 30% do salário é destinado à alimentação. Fazendo uma conta rápida, e nos baseando no atual salário mínimo, que é de R$ 880, grande parte dos brasileiros costuma gastar, em média, de R$ 264 a R$ 792 por mês com comida.

Para suprir a necessidade de ingestão diária de cálcio, esses brasileiros precisariam comprar quase um maço de brócolis por dia, o que resultaria em um investimento mensal de aproximadamente R$170, enquanto com o leite o gasto seria quase metade dessa quantia, R$91. Com a primeira opção de compra e baseando-nos no menor salário, sobrariam R$ 94 para comprar os alimentos básicos (arroz, feijão, farinha, carne etc.). Isso se levarmos em conta apenas aos gastos individuais, sem contar famílias que têm dois ou mais integrantes e apenas uma renda.

Já em relação aos costumes alimentares, a maioria dos brasileiros não consome hortaliças e frutas. De acordo com o estudo mais recente Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), publicado em 2015, apenas 24% dos brasileiros ingerem a quantidade ideal recomendada pela OMS (Organização Mundial de Saúde) desse tipo de alimento (400 g diários).

Se não consumimos nem o que é necessário para termos uma alimentação balanceada, imagine quantos conseguirão ingerir a quantidade diária de cálcio por meio das hortaliças. Por outro lado, o consumo do leite tem aceitação bem maior no país: 54% dos brasileiros consomem o alimento, segundo o mesmo estudo.

As recomendações da OMS para consumo de cálcio podem variar de 300 mg a 400 mg por dia nos primeiros meses de vida (período da amamentação) e até 1.300 mg/dia na adolescência, por exemplo. Isso equivaleria a comer, diariamente, 234 g de brócolis, 677 g de couve-manteiga, 882 g de espinafre ou 250 g de sardinha, todos os dias. “As pessoas não têm o hábito de ingerir verduras, legumes nem peixes. Como compensar a falta de cálcio? Com o leite, claro”, explica a dra. Sônia Trecco, nutricionista responsável pelo atendimento ambulatorial do HC-FMUSP.

E é exatamente na adolescência que se inicia a prevenção contra danos futuros. Nessa fase, a massa óssea está em formação e segue assim até os 20 anos, quando a densidade óssea atinge o pico. Depois, a estrutura começa a enfraquecer.

A dra. Ana Hoff, endocrinologista do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, explica que uma boa ingestão de cálcio desde cedo é importante para prevenção da perda óssea que pode resultar em osteoporose, mesmo que isso só vá ocorrer décadas depois. “No caso de um consumo pobre do mineral, o organismo sacrifica o esqueleto (depósito de 99% do cálcio no corpo humano) para que suas funções sejam mantidas. A retirada de cálcio do esqueleto para suprir sua falta no sangue resulta em perda óssea.”

O grande desafio deveria ser incentivar a ingestão de cálcio no país sem condenar o leite. Mesmo quem consome a bebida não garante a quantidade ideal de cálcio por dia. Apenas 20% das mulheres com 45 anos ingerem o necessário. Entre aquelas com menos de 45 anos, essa porcentagem não passa de 10%.

É claro que é necessário sempre promover uma alimentação diversificada, e também outros hábitos que interferem na saúde da população. “É importante lembrar que a prevenção à osteoporose só é efetiva quando há ingestão de vitamina D, pois essa vitamina ajuda o organismo a absorver o mineral. Para obtê-la, basta tomar dez minutos de sol diariamente”, afirma a nutricionista Sônia Trecco.

Quando recomendamos trocar o leite por outra fonte de cálcio

Não há discussão: a intolerância à lactose (hipolactasia primária) é um dos fatores que impõe restrição ao consumo de leite e laticínios. Segundo a dra. Ana Hoff, o problema causa sintomas desagradáveis após a ingestão desses produtos, tais como distensão do abdômen, acúmulo de gases e fezes amolecidas. “Neste caso, a necessidade de cálcio deve ser suprida por outros alimentos ou, se necessário, com suplementos”, afirma.

Rejane Matar, médica responsável pelo Laboratório de Provas Funcionais do Aparelho digestivo do HC-FMUSP, explica que parte da população apresenta declínio fisiológico e grande diminuição da ação da enzima lactase (responsável pela quebra da lactose, transformando-a em galactose e glucose, monossacarídeos que conseguem ser absorvidos pelo organismo). “Sem a produção abundante de lactase, o organismo não consegue ‘quebrar’ e absorver a lactose no intestino delgado e o manda direto para o grosso. Lá, existem bactérias que fermentam a lactose produzindo gás hidrogênio, que acaba provocando os sintomas desagradáveis.”

A intolerância à lactose é levantada por muitos que vilanizam o leite como uma prova de que ele não deveria ser consumido pelos humanos. Embora o organismo passe inevitavelmente a produzir menos enzima lactase ao longo do tempo, isso não significa que todos nos tornaremos intolerantes à lactose. De acordo com a dra. Rejane Matar, só é considerado intolerante quem apresenta os sintomas. Se não há sinais, não há intolerância à lactose. “O problema é que as pessoas inventaram essa história de que todo mundo precisa tirar o glúten e os produtos lácteos da dieta para emagrecer, enquanto na verdade eles só devem ser retirados em casos especiais e realmente confirmados”. Entretanto, a dra. Rejane ressalta: “Pacientes com genótipo de lactasia persistente num dado momento poderão ter intolerância à lactose.”

Segundo estudos epidemiológicos, as populações que nos seus primórdios dependiam da pecuária muito mais que da agricultura (e eram grandes consumidores de leite e laticínios em geral) apresentam menor prevalência de intolerância à lactose em relação àquelas que dependeram mais da agricultura para sobreviver. “No geral, a prevalência da hipolactasia primária do adulto varia no mundo. Na Dinamarca, 4% da população é intolerante. No nordeste europeu (próximo ao Mar Norte) e na Grã-Bretanha esse número é de 5%, e na Suécia,de  7%”,** explica a dra. Patrícia Blumer. Ou seja, a intolerância não é uma condição soberana.

“E mesmo sendo intolerante, é preciso ter cautela. Quando o paciente tem problemas de intolerância, ele não precisa necessariamente parar de consumir laticínios. É possível que ele seja intolerante apenas a uma determinada quantidade. Por isso, sempre recomendamos fazer um teste e diminuir a porção ingerida. Se ele consumia 3 copos de leite e apresentava sintomas, pedimos que reduza para 2, para 1 e observe como seu corpo reage”, explica dra. Rejane. Se mesmo assim houver desconforto, aí sim, o ideal é a total retirada do leite da dieta. “Nesses casos, o mais indicado é suprir a necessidade de cálcio por meio de outros alimentos”, completa.

A restrição ao consumo de leite também se estende a pessoas com determinadas doenças, como Doença de Crohn, enfermidades inflamatórias, úlcera, gastrite (a bebida estimula a produção de suco gástrico, o que pode piorar o quadro), entre outros problemas já existentes que possam ser agravados com o consumo da bebida. “O leite integral, por exemplo, pode agravar sintomas de refluxo em pessoas que já têm esse problema. A gordura, de um modo geral, retarda o esvaziamento gástrico e propicia o surgimento dos sintomas.”, afirma dra. Rejane.

E dá para confiar na qualidade do leite?

Para quem não se lembra, em 2014 testemunhamos um caso grave de adulteração de leite descoberto pela Operação Leite Compen$ado: cerca de 1 milhão de litros de leite adulterado ou fora dos padrões sanitários foram comercializados pelas empresas de laticínios Pavlat e Hollmann, no Rio Grande do Sul. Nas dependências da empresa foram encontrados soda cáustica, formol e água oxigenada. Em São Paulo e no Paraná, 300 mil litros da bebida, das marcas Parmalat* e Líder, também estavam “batizados” e chegaram às casas dos consumidores.

No entanto, existe fiscalização, e é por causa dela que produtos adulterados são retirados do mercado e tomamos conhecimento do que está sendo comercializado. O MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) tem um Programa de Combate à Fraude no Leite, que por meio de análises laboratoriais monitora os estabelecimentos que recebem e processam a bebida. Caso seja detectada alguma adulteração no produto, são aplicadas as sanções administrativas previstas na legislação, incluindo o Regime Especial de Fiscalização.

Enquanto vigora este Regime, a inspeção é intensificada e nenhum produto é liberado para comercialização até que os resultados de análises oficiais demonstrem que ele está dentro dos padrões. Só assim é liberado para consumo. Uma vez descoberta nova fraude, as empresas responsáveis ficam obrigadas a incluir análises específicas dentro do seu programa de controle de qualidade.

Nos últimos três anos, o Programa de Combate à Fraude no Leite realizou em média 4 mil análises de leite pronto para consumo (leite pasteurizado, UHT – longa-vida, leite em pó) por ano. Desde o início da operação no RS, em 2013, o percentual de amostras adulteradas passou de 37% para 26%. No primeiro trimestre de 2015, o índice caiu ainda mais, alcançando 22%, e depois chegando a 10%, segundo o promotor Mauro Rockenback, que estava à frente das investigações.

Questionar a qualidade e a confiabilidade do produto é de extrema importância, deve ser uma atitude tomada sempre e sem pudor pelos consumidores, em qualquer âmbito. Acompanhar o trabalho das fiscalizações também é salutar, mas esse não pode ser um hábito cego e sem critério. “Seguir nessa linha de raciocínio é colocar em cheque a confiabilidade de toda a indústria nacional, não apenas a de laticínios ou alimentos”, explica a dra. Patrícia Blumer, que há nove anos é pesquisadora científica do TECNOLAT-ITAL (Centro de Tecnologia de Alimentos-Instituto de Tecnologia de Alimentos).

 * A empresa Lactalis do Brasil entrou em contato com a nossa Redação para informar que o ocorrido aconteceu na época em que a Parmalat era gerida por outra empresa. Em 2015, quando adquiriram a licença da marca, modificaram os processos de certificação do leite por um método mais rigoroso.

Referências bibliográficas utilizadas pela dra. Patrícia Blumer

Foram consultados 2 artigos científicos (Simone Correa Leite; Indiomara Baratto; Rosangela Silva. CONSUMO DE CÁLCIO E RISCO DE OSTEOPOROSE EM UMA POPULAÇÃO DE IDOSOS. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v.8. n.48. p.165-174. Nov./Dez. 2014. E Brito, A.C.; Pinho, L.G. Relação entre a ingestão de leite e a osteopenia e osteoporose em mulheres acima dos 50 anos. Revista do INTO. Vol. 1. Núm. 1. 2008) e o livro “Leite para Adultos: Mitos e Fatos frente à Ciência” da Varela Editora e Livraria Ltda, lançado em 2009 das autoras Antunes, A.E.C.; Pacheco, M.T.B.

**Foi consultado o artigo científico Rejane Mattar, Daniel Ferraz de Campos Mazo. intolerância à lactose: mudança de paradigmas com a biologia molecular. Rev Assoc Med Bras 2010; 56(2): 230-6 e o livro “Leite para Adultos: Mitos e Fatos frente à Ciência” da Varela Editora e Livraria Ltda, lançado em 2009 das autoras Antunes, A.E.C.; Pacheco, M.T.B.