Artigo

PSA e toque retal

Drauzio Varella

O câncer de próstata é o tipo de câncer mais prevalente em homens com mais de 50 anos.

No passado, o diagnóstico costumava ser feito quando o tumor já invadia órgãos vizinhos ou formava metástases ósseas. A introdução do PSA e do toque retal rotineiro, nos anos 1990, permitiu identificar lesões em fases precoces e diminuir a probabilidade de morrer por complicações da doença.

O tratamento desses tumores iniciais através da cirurgia ou radioterapia, no entanto, está associado a complicações intestinais, urinárias e da função sexual, que podem comprometer a qualidade de vida.

Enquanto alguns tumores apresentam comportamento agressivo, outros são tão indolentes que dificilmente chegarão a provocar complicações nos pacientes mais idosos, mesmo que não sejam tratados. Nestes casos, o simples acompanhamento clínico e laboratorial pode ser a opção mais adequada.

Depois de rever os estudos publicados de 1950 a junho de 2009, a American Cancer Society acaba de publicar um novo consenso sobre as indicações para a realização dos exames preventivos: PSA e toque retal.

Atualizados pela primeira vez desde 2001, os principais pontos das novas normas são os seguintes:

1) Os exames preventivos devem ser oferecidos a todos os homens com mais de 50 anos que tenham uma expectativa de viver pelo menos 10 anos. Caso contrário, o benefício de um possível tratamento não compensará as complicações associadas a ele;

2) A idade para iniciar os exames depende do risco de apresentar a doença:

*Aos 50 anos, nos homens de risco igual ao da média;

* Aos 45 anos, naqueles que correm risco mais alto: descendentes de negros ou homens com parentes de primeiro grau que receberam o diagnóstico de câncer de próstata antes dos 65 anos;

* Aos 40 anos, nos casos de risco muito alto: diversos familiares com câncer de próstata diagnosticado antes dos 65 anos.

3) Nos casos em que os níveis de PSA estão abaixo de 2,5 ng/mL, o exame pode ser repetido apenas a cada 2 anos (ao contrário da repetição anual recomendada anteriormente);

4) Quando os níveis estiverem acima desse valor, o exame deve ser anual;

5) Quando o PSA está entre 2,5 e 4,0 ng/mL a conduta deve ser individualizada:

* Indicar biópsia quando houver risco mais alto: ascendência negra, história familiar de câncer de próstata, idade mais avançada e toque retal alterado;

* Biópsia anterior com resultado negativo reduz, mas não elimina, a possibilidade da doença.

6) PSA e toque retal estão associados a resultados falso-negativos e falso-positivos. Os falso-negativos retardam o diagnóstico. Os falso-positivos, encontrados em 23% a 42% dos casos, aumentam os custos, os riscos de procedimentos desnecessários e deixam os pacientes angustiados;

7) Os efeitos adversos da prostatectomia radical incluem complicações cirúrgicas da ordem de 22% nos primeiros 30 dias de pós-operatório, sangramentos, morte em 0,1% a 0,2% dos casos, estreitamentos da uretra e da bexiga em 5% a 14%, incontinência urinária em 12% a 16% e disfunção sexual em 19% a 27%;

8) Os efeitos adversos da radioterapia incluem toxicidade aguda (digestiva e urinária) em 50% dos doentes tratados e toxicidade tardia (digestiva, urinária e disfunção sexual);

9) A estratégia de apenas observar o crescimento nos casos de tumores indolentes pode levar à obstrução das vias urinárias, mas seu impacto na qualidade de vida é desconhecido;

10) O tradicional valor de 4,0 ng/mL para o PSA ainda é considerado como o limite a partir do qual deve ser indicada a biópsia de próstata, apesar de não haver segurança de que esse seja o ponto de corte ideal;

11) Embora o risco de câncer de próstata guarde relação com os valores do PSA, não é possível ter certeza absoluta de que uma biópsia não pudesse detectar a presença de um tumor em fase inicial de crescimento mesmo quando o PSA está abaixo de 2,5 ng/mL.